quarta-feira, 20 de abril de 2011


Família do atirador de Realengo tem mais dois dias para reclamar o corpo

Rio - A família de Wellington Menezes de Oliveira, o atirador de Realengo, tem até esta quinta-feira para reclamar o corpo do jovem de 23 anos responsável pela morte de 12 crianças na Escola Municipal Tasso Municipal Tasso da Silveira. Caso nenhum familiar apareça, ele será enterrado com indigente.
Na semana passada alguns religiosos estiveram no Instituto Médico Legal (IML) da Leopoldina para reclamar o corpo de Wellington, mas a retirada não foi permitida. Os parentes preferem não se envolver e estão com medo de fazer o reconhecimento.
Depois de 11 dias da tragédia em Realengo, a Escola Municipal Tasso da Silveira retomou as atividades na manhã de segunda-feira. No entanto, as aulas não vão recomeçar imediatamente, pois haverá um período de readaptação para os alunos. Este período envolve uma série de atividades lúdicas e uma constante assistência psicológica para os estudantes da instituição.
Foto: Severino Silva / Agência O Dia
Psicopata mata 12 estudantes em escola municipal

Manhã de 7 de abril de 2011. São 8h20 de mais um dia que parecia tranquilo na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, Zona Oeste. Mas o psicopata que bate à porta da sala 4 do segundo andar está prestes a mudar a rotina de estudantes e professores, que festejam os 40 anos do colégio. Wellington Menezes de Oliveira, um ex-aluno de 24 anos, entra dizendo que vai dar palestra. Coloca a bolsa em cima da mesa da professora, saca dois revólveres e dá início a um massacre em escola sem precedentes na História do Brasil. Nos minutos seguintes, a atrocidade deixa 12 adolescentes mortos e 12 feridos. 

Transtornado, o assassino atacou alunos de duas turmas do 8º ano (1.801 e 1.802), antiga 7ª série. As cenas de terror só terminam com a chegada de três policiais militares. No momento em que remuniciava dois revólveres pela terceira vez, o assassino é surpreendido por um sargento antes de chegar ao terceiro andar da escola. O tiro de fuzil na barriga obriga Wellington a parar. No fim da subida, ele pega uma de suas armas e atira contra a própria cabeça.

Na escola, a situação é de caos. Enquanto crianças correm — algumas se arrastam, feridas —, moradores chegam para prestar socorro. PMs vasculham o prédio, pois havia a informação da presença de outro atirador. São mais cinco minutos de pânico e apreensão. Em seguida, começa o desespero e o horror das famílias.

A notícia se alastra pelo bairro. Parentes correm para a escola em busca de notícias. O motorista de uma Kombi para em solidariedade. Ele parte rumo ao Hospital Albert Schweitzer, no mesmo bairro, com seis crianças na caçamba, quase todas com tiros na cabeça ou tórax.

Wellington, que arrasou com a vida de tantas famílias, era solitário. Segundo parentes, jamais teve amigos e passava os dias na Internet ou lendo livros sobre religião. Naquela mesma escola, entre 1999 e 2002, período em que lá estudou, foi alvo de ‘brincadeiras’ humilhantes de colegas, que chegaram a jogá-lo na lata de lixo do pátio.

A carta encontrada dentro da bolsa do assassino tenta explicar o inexplicável. Fala em pureza, mostra uma incrível raiva das mulheres — dez dos 12 mortos — e pede para ser enrolado num lençol branco que levou para o prédio do massacre. O menino que não falava com ninguém deixou seu recado marcado com sangue de inocentes estudantes de Realengo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário